Tubarão Branco em Cape Town

Hoje tivemos uma das experiências mais exóticas de nossas vidas. Mergulhamos e ficamos frente a frente (separados apenas por uma gaiola) com o grande tubarão branco, em seu habitat natural.

Mari preparando para embarcar

Para isso, pegamos às 5h25 uma van que foi até uma vila perto de Hermanus, em uma viagem de mais ou menos 2 horas. Chegando lá, entramos em um barco especialmente feito para a viagem, que possuía uma “gaiolinha” em que cabiam sete mergulhadores.
O mergulho em si é muito simples – exceto quando há muitas ondas, o que foi o caso hoje – não precisa de curso, não precisa de tubo de oxigênio. Basta afundar a cabeça quando for avisado que um tubarão branco está por perto. Acho que as fotos vão fazer mais sentido.
Gaiolinha
O que é sensacional mesmo é a visão de um tubarão gigantesco olhando para você e vindo na sua direção, ficando a menos de 20cm da sua cara!! É genial!!
Olhar de cima do barco não é menos legal: de cima dá para ver quando os tubarões saltam para fora da água para pegar a isca (cabeças de peixes) que fora jogada pelo rapaz que é responsável por atrair os tubarões.
Grande Tubarão Branco dando Bote – sim, tirei com a minha câmera!
 Depois da experiência incrível, resta-nos assistir de novo o famoso filme do Steven Spielberg e poder dizer “rapaz, eu já vivi isso!”
O melhor de tudo é que não terminou por aí. Tivemos a tremenda sorte de ver uma baleia dando um salto mortal triplo na água! Prometo que na vida real é melhor que nas fotos, mas eu consegui pegar alguma coisa (clica na foto pra ela ficar maior). Sem falar na vista que é ANIMAL.
Baleia Pulando


Eu e a Mari na chata vista da costa sul-africana (Hermanus)


No fim, tivemos um encontro casual com alguns babuínos, e comemos uns biscoitos juntos. Parece até um animal dócil, mas ele é um baita dum ladrãozinho (ve o post anterior). E além de tudo eles podem te atacar se você os alimenta, puta dum ingrato!
Eu, babuíno e nosso guia africano dos tubarões
Bom, por hoje é isso. Até mais!

0 Comments

Deixe uma resposta para Roberto Cestari Cancelar resposta