África do Sul Roadtrip (IV). De Knysna a Port Elizabeth

Olá,
Essa foi a última etapa da nossa road trip. Infelizmente teríamos que deixar o nosso companheiro corolla branco, e rumar em direção ao nordeste sulafricano: Johannesburg e o Kruger Park (que será objeto do próximo e último post deste blog).
Apesar de o título falar que essa etapa é de Knysna a PE (como os locais chamam Port Elizabeth), na verdade partimos de Wilderness (uma vez que trocamos a noite em knysna por outra em nosso paraíso particular em wilderness). Pois bem, saímos cedo mas sem muita pressa. Era difícil abandonar nosso melhor quarto e melhor vista que tivemos até agora. Aproveitamos para brincar com o cão amigo na praia por um tempo, e assim nos despedir dessa praia deserta e paradisíaca. Pegamos o carro, e, enfim, partimos. E deixamos uma parte de nós lá em wilderness. No duro. Falo literalmente, porque esqueci uma mala inteira lá no hotel, com TODAS as lembranças africanas que eu tinha comprado (incluindo pele e chifres de antílopes e esculturas em madeira). Desisti de comprar outras, e as lembranças ficarão, bem… na lembrança mesmo.
Mas sem chorar o leite derramado. Paramos em Plettenberg Bay, mas, apesar de ser um famoso destino na garden route, não vimos nada de interessante e seguimos em frente. Teríamos ainda uns 200km até PE, e ainda duas paradas obrigatórias: Nature Valley e Storms River (que faz parte de um parque nacional).
Nature Valley

Nature Valley é um lugar indescritível: é um vilarejo de difícil acesso, com poucas casas, todas no meio da selva, muito engraçado. Quem tem casa lá, o jardim de seu terreno é na verdade parte da mata nativa daquele lugar. A praia é gigantesca e tem de pano de fundo uma montanha muito bonita. Um lugar perfeito para acampar se o objetivo é sintonia com a natureza. Ficamos lá mais ou menos 1 hora, e depois paramos em uma fazendinha que fazia o próprio queijo e quitutes que vendia. Acabei comendo apenas um bolo de chocolate, que estava absolutamente gordo e gostoso. Ah, deu também para dar uma paradinha no “maior bungy do mundo” e tirarmos algumas fotos…
Nature Valley
Maior Bungy do Mundo
Por fim, nossa última parada antes de PE: Storms River. Lá a gente entra em um parque nacional (que não lembro o nome), tendo que pagar entrada e tudo. Tem uma trilha a pé de +- 1km no meio da floresta e montanhas que leva a gente para uma sequencia de 3 pontes suspensas, sobre o mar. Mas, como somos curiosos, alongamos essa trilha para tentar chegar ao topo da montanha. Acho que não foi uma boa ideia. Primeiro porque a trilha não era das mais fáceis (centenas e centenas de degraus). Segundo, porque a trilha não era das mais seguras (se escorregássemos, adiós), e eu tinha acabado de ler a triste notícia da brasileira de 24 anos (minha idade) que escorregou de uma trilha do peru e morreu (notícia aqui). Quando chegamos em uma parte mais inclinada, acabamos desistindo de continuar. O que não fez a trilha ficar pior. A vista de lá era fenomenal também, veja pelas fotos abaixo. Gastamos lá mais umas 3 horas.
Storms River
Vista da Trilha em Storms River
Mais uma foto de costas para parecer explorador
Chegamos em PE à noite, para pernoitar em uma guesthouse. Fomos jantar em lugar muito bacana (the boardwalk) com vários restaurantes, lojas e casino, mas que, novamente, estava deserto para uma quinta feira a noite. No dia seguinte, bem cedo, pegaríamos o voo para Johannesburg, e iríamos enfrentar o Kruger National Park.
Uma pequena ideia de imensidão… (Storms River)
Até
Beto e Mari

3 Comments

  1. Beto e Mari, vamos passar por Wilderness dentro de 30 dias. Se quiser entre em contato com a guesthouse que pegamos sua mala para vcs e trazemos até SP.

  2. Acheiii o blog! rsrs..adorei 🙂

    Não vão fazer um post de Fernando de noronha!!?!

Comente!