Último dia em Bangkok

Não podíamos ir embora da Tailândia sem experimentar massagem tailandesa e uma luta de muay thai.

Hoje foi um dia de experiências tailandesas. A primeira, como não podia deixar de ser, foi experimentar a tão falada massagem tailandesa. E calma lá. Eu sei qual é a fama da “massagem tailandesa” no Brasil (se você não sabe, dá um google), mas aqui não tem nada a ver com “outras coisas”. Na verdade, massagem tailandesa aqui não passa de uma técnica: “arrebentar suas costas com o cotovelo e outros ossos pontiagudos”.

Basicamente o que eu fiz foi isso:

Thai Massage

Mas vai saber, tem gente que diz que isso faz bem né… Brincadeiras a parte, a massagem até que foi boa (tirando os urros de dor e todos os ossos trincados estralados).

A segunda experiência tailandesa autêntica foi assistir uma luta de muay thai. E tão legal quanto a luta era a gritaria da galera fazendo apostas em qual lutador iria ganhar. Eram nove lutas, mas cansamos e fomos embora já na sétima.

Alguém lembra do Zagat, do Street Fighter?
Alguém lembra do Zagat, do Street Fighter?

E no meio disso tudo, teve nosso dia que, pra variar foi mais uma vez extremamente corrido – afinal, foi o nosso último aqui em BKK. Acordamos meio indecisos sobre o que fazer, e acabamos por planejar o dia assim: Jim Thompson House – MBK shopping – Hard Rock. Acabamos deixando o Hard Rock de lado, pois achamos um restaurante japonês (horrível) que quisemos experimentar.

A Jim Thompson House é a casa que foi do Jim Thompson (ah, vá?!). Esse Jim Thompson foi um americano que ficou apaixonado pela tailandia lá pelo meio do século passado, e entrou no business da seda – que é bastante importante aqui no país. E nessa casa, além de a gente ver um pouco da vida dele (o que não foi tão legal assim…), aprendemos um pouco sobre o processo de produção de seda, que é MUITO legal. Eles tiravam seda lá na hora (olha a foto). A seda está em um casulo (esses amarelos) feito pelo bicho da seda (o bichinho está lá dentro). Eles fervem o casulo pra conseguir extrair o fio de seda, que então é juntado com +- uns 40 fiozinhos que formam um fio maior. O legal é que cada casulo tem mais ou menos uns 800 metros de fio.

 

IMG_7734
Extração de seda
Seda!
Seda!

Mas chega de seda. Saindo de lá, fomos para outro paraíso da muamba (ontem fomos em dois), chamado MBK. É um shopping estilo chingling que vende de tudo. Depois de muito tempo olhando vários andares e lojinhas diferentes acabamos comprando uma água mineral (com ágio ainda, porque foi no starbucks).

Bora pra khao san road (de novo!). Decidimos então que era hora de tentar a massagem tailandesa (como eu já expliquei antes), e a mari também quis fazer uma terapia diferente pros pés dela:

Mari na Peixoterapia
Mari na Peixoterapia

Logo ali perto era uma das avenidas que estavam decoradas para a festa de comemoração do aniversário do Rei. Como tínhamos luta de muay thai ali perto mais tarde, acabamos ficando ali pelo centro mesmo… e realmente estava muito bonito tudo. Descobrimos uns templos novos, inclusive um em cima da montanha que se chamava golden mountain. Vários monges pelo caminho e pessoas que subiam até o topo para fazer suas preces.

Decoração real, surreal, na real.
Decoração real, surreal, na real.
Monges budistas
Monges budistas
Nóis e os mongi
Nóis e os mongi
Sua majestade, o rei.
Sua majestade, o rei.
Fim de tarde em Bangkok
Fim de tarde em Bangkok

E por fim, a noite terminou com 7 lutas de Muay Thai e depois no seven spoons, que me serviu um prato de pimenta com um pouco de macarrão… 😕

Bora dormir que amanhã vamos cedo para Chiang Mai!

2 Comments

  1. Último dia com muitos passeios … Adorei a foto para exemplificar sua massagem Betinho kkkkk
    Massagem é tudo de bom , eu amo!!! Assisti um documentário da Tailândia (com a Mari) o qual mostrava cada etapa da fabricação da seda. Muito interessante! Que decoração linda da cidade ( mas achei poucas luzes rsrs)
    Lindas as fotos! Amo vcs ♥ ♥ Saudades ♥ ♥

  2. Quero peixoterapia e decoração real!! Muito lindo! Deixou nosso natal no chinelo hahaha

Deixe uma resposta para Denise da Cunha Tahan Cancelar resposta